materiais inovadores design - Sericyne 02 1 uai 258x139 - VivaTech Paris: Rethinking Materials

VivaTech Paris: Rethinking Materials

Materiais inovadores

O evento VivaTech é um hub para inovadores, amantes de tecnologia e pioneiros que promove relacionamento entre startups, investidores e interessados por inovação. A edição de 2017 da Viva Technology aconteceu de 15 a 17 de junho, em Paris.

A tecnologia mais recente em robótica, drones e realidade virtual podem ser vistos de perto pelo público da VivaTech, que este ano teve como palestrantes Bernard Arnault (CEO da LVMH), Daniel Zhang (CEO do Grupo Alibaba), Jeff Immelt (CEO da GE).

O BLOGAZINE esteve in loco no evento e lança uma luz no que há de mais moderno e revolucionário em materiais ligados ao universo da moda e artigos de luxo.

Pollen AM
www.pollen.am

Foram necessários cinco anos para a startup francesa desenvolver sua versão avançada da impressora 3D, batizada PAM. O que é especial nessa máquina (lindíssima por sinal) é a capacidade de imprimir um objeto usando até quatro materiais diferentes.

Impressora 3D batizada PAM, da Pollen AM na vivatech
Impressora 3D batizada PAM, da Pollen AM

A tecnologia patenteada apresentada no LVMH Lab no ano passado já chamou a atenção de algumas marcas de designers locais. A Pollen colaborou com a Atelier Bartavelle, uma marca de prêt-à-porter sustentável e também assinou um contrato com a Courrèges.

Usando pellets como matérias-primas, a PAM não oferece apenas infinitas possibilidades de impressão em qualidade industrial, mas também abre novas oportunidades para experimentar materiais ecológicos. Então, definitivamente, é uma tecnologia que merece nossa atenção!

Sandálias impressas em 3D do Atelier Bartavelle para coleção SS17

Siga eles: @pollenam

WOODOO

woodoo.fr

A jovem empresa, uma das 32 startups finalistas que estavam competindo pelo primeiro prêmio de inovação LVMH, propõe nada menos do que a próxima geração de madeira.

Por meio de seu processo único, a Woodoo reconstrói a madeira bruta a um nível molecular e transforma-a em um material bonito e translúcido que é realmente mais rígido, econômico e sustentável.

A madeira melhorada resultante da química verde de Woodoo também é resistente à água e ao fogo. Embora a tecnologia vise principalmente o setor de construção, a startup tem certeza de uma ótima perspectiva para futuras colaborações com marcas de luxo.

woodoo vivatech

Siga eles: Woodoo no Facebook

 

SERICYNE

sericyne.fr

Nomeado após a proteína que compõe de 20 a 30% da seda, a Sericyne cria uma versão natural e sem ser tecida da fibra.

Os bichos-da-seda são colocados em suportes diversos e se reproduzem imediatamente nessas formas, de modo que não fazem casulos. Pense em impressão em 3D, mas com insetos.

O resultado desse processo livre de crueldade (não causa casulos, portanto, nenhum casulo é aquecido; apenas bichos-da-seda felizes) é um material especial e brilhante, com um aspecto papelado.

Além de seu processo natural inovador, a seda Sericyne também é bastante acessível e vem em uma variedade de formas e cores (rosa milenar também) e pode ser usada com bordados ou flocos de ouro. Não causa surpresa que a Hermès já esteja entre as empresas interessadas pelas criações da startup.

Siga eles: @sericyne


- machina blogazine uai 258x104 - Qual o significado da nova exposição de moda do Met?

Qual o significado da nova exposição de moda do Met?

Manus x Machina

O Metropolitan Museum of Art’s Costume Institute de Nova Iorque abre sua exposição anual com o tema “Manus x Machina: Fashion in an age of technology”, que a grosso modo seria, ‘Mão versus Máquina: Moda em uma era de tecnologia’.

Tecnologia e artesania não são mutuamente exclusivos, mas podem andar de mãos dadas. Quais são as barreiras?

“É sobre questionar a relação entre a mão e a máquina”, disse Andrew Bolton, curador da exposição.

Segundo Bolton, são muitos os pré-conceitos sobre o feito à mão versus o feito à máquina: alguma coisa feita à mão sugere exclusividade, espontaneidade e individualismo, enquanto roupas feitas à máquina dão a impressão de produção em série e democracia, mas também de inferioridade.

manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_08

Se na moda o feito à mão tem sido considerado luxuoso, superior e até mesmo elitista, o feito à máquina, apesar de simbolizar progresso, expressa certa desumanização.

Enquanto a tradicional alta-costura gira em torno de uma única pessoa que faz a encomenda, a produção em série é obrigada a seguir medidas padronizadas que correspondem a tamanhos que sirvam a todos.

Ao longo do processo, descobriu-se que alguns mitos criados pela moda e na moda precisavam cair.

O ponto de partida, disse o curador, foi um vestido de casamento criado por Karl Lagerfeld para o desfile de alta-costura de outono-inverno 2014 da Chanel-- o molde é feito à mão, costurado à máquina e com acabamento à mão. A cauda feita em neoprene e cetim traz o design de um desenho do próprio Lagerfeld, feito à mão e então manipulado digitalmente para criar um motivo barroco. Em seguida, o vestido recebeu pedras, pérolas e strass aplicados em um cuidadoso bordado à mão.

manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_02

“Talvez importasse se um vestido fosse feito à mão ou à máquina, pelo menos na alta-costura, mas agora as coisas são completamente diferentes”, explicou Lagerfeld. “A revolução digital mudou o mundo.

Na exposição é possível observar que algumas vestimentas feitas em máquina exigiram um grande número de horas para serem feitas e são muito mais luxuosas.

O verdadeiro valor de uma peça de vestir, isto é, seu DNA, deve ir além do fato se sua manufatura foi manual ou automatizada. Com a intenção de forçar o público a apreciar a criação do design, a exibição Manus vs. Machina pretende afastar a desesperada preocupação com o quê está por vir e concentrar no vestuário como forma de arte.

A exibição mostra os tradicionais “métiers”, ou seja, ofícios da alta-costura, incluindo bordado, plumagem, flores artificiais, plissagem, renda e trabalho em couro.

Em display, modelos clássicos de Christian Dior e Grès. Um vestido de noiva irlandês datado de 1870 e enfeitado com flores complexas está ao lado dos vestidos plissados de Mariano Fortuny, dos anos 20.

manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_07

O lado futurista apresenta obras de modelagem computadorizada, impressão, laminação e corte a laser.

Hussein Chalayan e suas obras inovadoras estão presentes com um vestido em fibra de vidro e pérolas de papel operadas por controle remoto e outro feito de espuma de poliuretano moldado em spikes.

Já a holandesa Iris van Herpen vem representada por seu vestido de coquetel feito em algodão com enchimento de borracha e ferro aplicados no lugar por meio de imãs.

manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_04

Bolton espera que os modelos em exposição desafiem os conceitos sobre o feito à mão e o feito à máquina.
“É uma celebração da arte do fazer,” disse o curador. “Isso é o que o Met tem sempre proposto ser”.

Em tempo: A primeira vez que moda e trabalho manual foram elevados ao status de arte e ciência foi no século XVIII, na publicação da enciclopédia de Diderot e D’Alembert.

manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_09 manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_06 manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_10 manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_11 manus-x-machina_metropolitan-museum-of-art_BLOGAZINE_05

// MANUS X MACHINA: FASHION IN AGE OF TECHNOLOGY
Metropolitan Museum of New York
5 de maio – 14 de agosto 2016
www.metmuseum.org


- d commerce uai 258x258 - PRATELEIRA INFINITA

PRATELEIRA INFINITA

e-commerce

As tendências de moda atuais pregam que nosso guarda-roupa deve ir em direção ao conforto e praticidade. Se as roupas não devem ser complicadas, o ato de comprar também deve ser simplificado.

O caminho já está traçado e é por isso que testemunhamos o incrível crescimento do chamado e-commerce.

A teoria da prateleira infinita faz com que o “shopping” tome proporções mega-galácticas ultrapassando barreiras comerciais e geográficas.

Para muitos a venda sem a presença humana é um fator positivo, que torna a compra mais objetiva. Entretanto, alguns espertos em vendas advertem que a frieza e a falta do chamado corpo-a-corpo com o cliente pode gerar um tíquete pequeno nas vendas.

O chamado “shopping experience” -- ou a grosso modo, “experiência de compras” -- promove a vivência física das marcas com atendimento dedicado e personalizado. Os novos desafios do comércio digital é justamente oferecer aos clientes essa sensação inesquecível e acolhedora.

A empresa Vente-privee Consulting listou cinco tendências norteadoras para o e-commerce de 2014, com a intenção de promover ainda mais o crescimento das vendas.

O primeiro fator de desenvolvimento se refere às informações, o grande banco de dados que permite analisar os produtos online em vários níveis, desde a aceitação até a numeração. O perfil traçado do cliente é cada vez mais preciso. Segundo a Vente-privee, em breve teremos no mercado novos aplicativos de tecnologia “na nuvem” que favorecerão ainda mais as interpretações e tomadas de decisões da parte dos dirigentes das sociedades.

“As empresas poderão dispor de ferramentas capazes de prever o mais eficaz”, observa Ilan Benheim, sócio co-fundador e diretor de inovação da empresa de consultoria.

Em segundo lugar, a filosofia centrada no cliente irá se impor dentro do mundo digital por meio de uma reconfiguração do relacionamento empresa-cliente, tornando-se cada vez mais fluida e dinâmica possibilitando ao cliente se exprimir e manifestar suas próprias vontades.

O terceiro ponto-chave será a qualidade do conteúdo publicado: texto, imagem, informações gráficas e vídeo de altíssimo nível. De acordo com a Vente-privee Consulting esse é o caminho para se ter um impacto positivo sobre o ROI - Return On Investiments (retorno nos investimentos).

Em quarto lugar, a adoção de ferramentas que garantam ao cliente a solução de problemas e obstáculos que na maioria das vezes inibem as compras como, por exemplo, a escolha do tamanho. Entre as possíveis soluções estão os provadores virtuais ou mecanismos de busca capazes de fornecer conselhos úteis. Na realidade, o próximo passo será permitir ao e-consumidor fotografar-se com uma webcam no momento da compra para que a loja possa armazenar automaticamente o tamanho adequado do cliente. A intenção futura é fazer com que a boutique online seja capaz de mostrar o efeito do produto no cliente, tal qual quando vestido.

A questão desafiadora é o preço, que não consistirá em oferecer o valor mais baixo, e sim aquele mais justo em relação à qualidade do serviço oferecido. Atualmente o monitoramento dos preços da concorrência segue um modelo quase artesanal, entretanto já estão em desenvolvimento soluções que permitem verificar os preços dos sites concorrentes por meio de um perímetro de concorrência pré-estabelecido.

No Brasil, em 2013 o e-commerce apresentou um crescimento de 29%, ultrapassando 31 bilhões de reais em faturamento, segundo dados da Associação Brasileira de E-Commerce. Para 2014 estima-se um crescimento de 27% no setor.


- d victorias secret uai 258x258 - Victoria’s Secret desfila lingerie de alta-tecnologia 3D

Victoria’s Secret desfila lingerie de alta-tecnologia 3D

3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-1

O desfile de 2013 da Victoria’s Secret mostrou estar de olho na alta-tecnologia do vestuário. A marca exibiu uma roupa sob medida feita pelo arquiteto baseado em Nova York Bradley Rothenberg.

A modelo Lidsay Ellingson usava um look que parecia lingerie, mas era produto de uma impressão 3D com design VS em parceria com a Swarovski e Shapeways (especialistas em impressão 3D).

3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-4

Composto por um corset, asas e uma cabeça, o look feito de flocos de neve interligados e com adornos de cristais Swarovski integrou a seção Snow Angels do desfile.

Para servir com perfeição no corpo, o modelo foi moldado com a ajuda de uma escala em 3D do corpo de Lindsay.

3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-2 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-9 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-10 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-3 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-8 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-7 3D-printed-outfit-for-Victoria’s-Secret-lingerie-show-6