Brasília

Exposição do CCBB Brasília transforma comida em arte

By 13 de agosto de 2015 No Comments

Mostra ‘CRU: comida, transformação e arte’ promove festival gastronômico e performances com a participação de chefs consagrados no CCBB Brasília

Obra de Damián Ortega (México) que usa estrututa feita de tortillas  - cru - Exposição do CCBB Brasília transforma comida em arte

Obra de Damián Ortega (México) que usa estrututa feita de tortillas

O CCBB Brasília une arte e comida como tema central da mostra ‘CRU: comida, transformação e arte’, evento multidisciplinar que acontece de 15 de agosto a 12 de outubro (dia 14 de agosto, apenas para convidados).

Três eixos compõem a programação do CRU: uma grande exposição, reunindo trabalhos de mais de 20 artistas nacionais e internacionais; quatro ações performáticas, conduzidas por artistas, músicos e chefs; e diversas intervenções gastronômicas, em restaurantes da cidade e parcerias com food trucks. Os trucks estarão à disposição dos visitantes nos finais de semana e encerramento.

“Essa é uma questão que diz respeito a todos. A grande motivação da criação é alimentar o outro, seja por meio da energia para criar como artista, seja para existir como pessoa”, sintetiza o curador Marcello Dantas, que idealizou o evento ao constatar a presença crescente dos alimentos como elemento simbólico, metafórico ou plástico nas exposições mundo afora.

hansopdebeeck  - hansopdebeeck - Exposição do CCBB Brasília transforma comida em arte

O título do evento é, segundo Dantas, uma forma de enfatizar o uso dos alimentos como matéria-prima (“raw material” em inglês, ou, literalmente, “matéria crua”) da criação artística. Lara Pinheiro e Rodrigo Villela são os curadores adjuntos da mostra que tem patrocínio do BB Seguridade.

Há obras em diversos formatos (fotos, vídeos, esculturas, pinturas e instalações), assinadas por nomes expressivos no cenário internacional, como a brasileira Rivane Neuenschwander, a francesa Sophie Calle, a israelense Sigalit Landau, o chinês Zhang Huan e o alemão Thomas Rentmeister.

Chama a atenção, por exemplo, uma evidente conexão – e fricção – entre as diferentes mesas de refeições (tema explorado de formas distintas pelo romeno Daniel Spoerri, pela espanhola Greta Alfaro Yanguas e pelo guatemalteco Gabriel Rodriguez Pellecer) ou entre as diferentes leituras de naturezas-mortas (revisitadas, entre outros, pelo colombiano Gabriel Sierra e pelo belga Hans Op de Beeck).

Rochelle Costi Toalhas, patas de galinha  - Rochelle Costi Toalhas patas de galinha - Exposição do CCBB Brasília transforma comida em arte

Rochelle Costi Toalhas, patas de galinha

Esses diálogos entre variadas formas de expressão e criação também se fazem presentes nas quatro performances programadas para a exposição. Nos dias 15 e 16 de agosto, o russo Fyodor Pavlov-Andreevich passará jornadas de 8 horas manipulando batatas dentro de uma instalação gigante que mais se assemelha a uma fábrica maluca. A escolha do tubérculo não foi acidental: é uma clara referência à sua importância fundamental como alimento em difíceis períodos da história russa. Nas duas semanas seguintes, artistas performáticos locais o substituirão na tarefa, até o dia 24 de agosto.

No dia 29 de agosto, Hector Zamora (México), o grupo brasileiro de percussão Barbatuques e a chef Ana Luiza Trajano realizarão uma grande produção coletiva e musical de sorvetes artesanais, de sabores de frutas típicas brasileiras, que poderão ser degustados pelo público ao final da ação.

Em 3 de outubro será a vez de Rirkrit Tiravanija (Argentina/Tailândia) propor, com a ajuda de Pierre Hermé e Kreëmart, um provocativo happening. Ao longo do dia, um grupo de pessoas estará cozinhando dentro de uma grande caixa de vidro e quem se aproximar de uma das várias aberturas existentes na caixa receberá um alimento, sem saber de antemão do que se trata, num grande ritual de confiança.

Finalmente, em 12 de outubro, data de encerramento do evento, um grupo composto por Neka Menna Barreto, Jorge Menna Barreto e Fernando Limberger prepararão um “banquete pré-Brasil”, no qual serão utilizados apenas insumos autóctones, que eram comidos pelas populações que viviam no país antes de Cabral desembarcar por aqui.

CRU: comida, transformação e arte

Centro Cultural Banco do Brasil Brasília
SCES, Trecho 02, lote 22
Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.
Entrada gratuita – As senhas serão distribuídas a partir de 1 hora antes do início do evento.
Classificação indicativa: livre
Tel.: (61) 3108-7600

De 15 de agosto a 12 de outubro (Dia 14 de agosto, apenas para convidados)

*O CCBB disponibiliza ônibus gratuito, identificado com a marca do Centro Cultural. O transporte funciona de quarta a segunda-feira. Consulte todos os locais e horários de saída no site e no Facebook. O Centro Cultural também oferece transporte escolar gratuito para escolas públicas, ONGs e instituições assistenciais do Distrito Federal e entorno mediante agendamento pelo número 3108-7623 ou 3108-7624.

Comente!

Equipe Blogazine

Equipe Blogazine

Descrição

Leave a Reply