kate-moss-snow-white  - kate moss snow white - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

Kate Moss para o editorial ‘Snow White’ fotografado por Nick Knight para
i-D Magazine de Pre-Fall 2010

Cinquenta Tons de Cinza”, best seller do momento, virou sucesso e traz a tona um assunto polêmico e intimista: o fetiche. Mulheres de diferentes idades, estilos e gostos se renderam a história (meio clichê) do homem rico que seduz a jovem inocente. Mas além da leitura morna e do romance com ares machistas, o sexo e o sadomasoquismo também são temas abordados na história, onde a sexualidade e a busca pelo prazer viram protagonistas.

A popularidade do livro, e consequentemente do tema, trazem de volta o espírito fetichista que vive escondido (ou não) dentro de nós. Na moda, o fetiche é caracterizado pelo jogo de ‘mostra e esconde’ e algumas características marcantes como o uso do couro, látex, peças justíssimas e claro, os acessórios do mundo ‘sado-masô’. Todos ‘regados com uma pitada’ de fantasia sexual.

Marquês de Sade, mestre da libertinagem e principal precursor do uso da dor como forma de prazer no século XVIII, viveu vários escândalos pervertidos que tornaram-se clássicos da literatura erótica. Trazendo essa temática para atualidade, até a década de 1960 esse tipo de vestimenta e estilo de vida era escondido em razão dos costumes tradicionais da época. Esse tabu foi usado como referência nas artes e na própria moda de então.

marques-de-sade-1  - marques de sade 1 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

 

Os livros de Sade foram considerados uma afronta à moral e aos bons costumes pelos tribunais franceses em 1950

Com a libertação sexual que aconteceu entre os anos 60 e 70, a ousadia da sexualidade começou a ser explorada na mídia e tornou-se enfoque de muitos trabalhos artísticos. O fetichismo, por sua vez, também entrou nessa leva de referências. Nomes como o fotógrafo alemão Helmut Newton foram responsáveis por glamourizar o fetiche e trazer para a moda os ares fantasiosos do S&M.

fetiche-moda-helmut-newton  - fetiche moda helmut newton - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

Fotografia do legendário fotógrafo Helmut Newton durante os anos 1970 / Jane Kirby por Helmut Newton. Paris, 1977

A dama da moda britânica Vivienne Westwood e o francês Jean Paul Gaultier criavam looks que exaltavam o poder sensual do fetiche e, indo mais além, mostraram para as mulheres que botas, saias, corpetes e cintas-liga provocantes não tinham apenas o poder de excitarem seus parceiros, mas de trazer libertação e autoestima.

sex-pistols-vivienne-westwood-70  - sex pistols vivienne westwood 70 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

Quem assinava as roupas do grupo de punk rock Sex Pistols (que surgiu no fimzinho dos anos 70) era ninguém menos que Vivienne Westwood, que usou — e usa até hoje — a moda como ferramenta para protestos e difundir de ideias

jean-paul-gaultier-issey-miyake-fetiche  - jean paul gaultier issey miyake fetiche - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

 

Imagem de Helen Mirren com figurino de Jean Paul Gaultier em ‘O Cozinheiro, o Ladrão, Sua Mulher e o Amante’ de (1989) / Bustier dos anos 80 criado por Issey Miyake

Nos anos 90, Madonna levou o sexo novamente ao spotlight com o álbum ‘Erotica’ e com sua postura dominadora — uma espécie de alter ego que transformou a diva do pop em uma autêntica dominatrix. Naquele momento, marcas como Calvin Klein já apostavam no nu e na beleza da sensualidade como fontes de referência e encantamento do público.

O fetiche foi revisitado em vários momentos na moda depois que foi difundido. Mais recentemente, em 2010, a Vogue Paris lançou sua edição de comemoração de 90 anos com a modelo Lara Stone nua e mascarada, com várias páginas dedicadas a perversão sexual em uma versão fashionista.

bal-masquc3a9-by-mert-marcus-02  - bal masquc3a9 by mert marcus 02 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual bal-masquc3a9-by-mert-marcus-07  - bal masquc3a9 by mert marcus 07 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual bal-masquc3a9-by-mert-marcus-08  - bal masquc3a9 by mert marcus 08 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

Logo depois, em 2011, a Louis Vuitton trouxe para o catwalk da Paris Fashion Week uma coleção nitidamente inspirada no tema, com direito a quepes, transparência e até algemas. Um visual intimista com quê de sexualidade à flor da pele. Uma tradução de mulher poderosa que meia volta retorna ao mundo da moda, para deixar nossas vidas e looks menos monótonos e mais sensuais.

kate-moss-louis-vuitton-fall-winter-12-2  - kate moss louis vuitton fall winter 12 2 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual kate-moss-louis-vuitton-fall-winter-12  - kate moss louis vuitton fall winter 12 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

 

Kate Moss fez a entrada final da apresentação de F/W 2012 da Louis Vuitton

Até nos desfiles de Spring 2013, onde o frescor da primavera é destaque, houve espaço para a sexualidade fetichista. Hervé Léger e Jason Wu, integrantes da New York Fashion Week, mostraram amarrações, bustiês, luvas e o couro preto — carro chefe da estética do fetiche. Já aqui no Brasil, na edição de Inverno 2013 do São Paulo Fashion Week, Lino Villaventura e Ellus foram os responsáveis por apostar no tema. Uma ode à libertação sexual e pessoal, onde o objetivo é instigar o prazer.

desfile-jason-wu-nova-york-verao2013-103  - desfile jason wu nova york verao2013 103 - Analisamos o fascínio da moda pelo fetiche sexual

Jason Wu, Spring 2013

Imagens©Reprodução

Curta o BLOGAZINE no Facebook para que possamos ser amigos e siga-nos no Twitter @Blogazine_ para conversarmos

Comente!