SPFW TransN42

Esta edição 42 da São Paulo Fashion Week vem com o tema Trans – de transformação, transgressão e transição. Os primeiros dias foram mesmo de playing safe, sem fortes emoções.

Tudo começou com o desfile da Animale no domingo sob a direção criativa de Vitorino Campos. E nesta segunda-feira foi a vez das marcas À La Garçonne – com o estilista Alexandre HerchcovitchReinaldo Lourenço e Patricia Viera desfilarem suas coleções de inverno 2018.

Teve também a estreia da LAB, que é projeto do rapper Emicida e do irmão Evandro Fióti com direção criativa de João Pimenta — que veste o Emicida com frequência, então: sem surpresa!

// ANIMALE
Após pular uma temporada, a coleção see now, buy now da Animale traz as principais tendências internacionais. Tem alfaiataria desconstruída, camisa em tricoline com mangas longas e volumes com pregas nas costas, além dos metalizadas e decotes assimétricos que já sem desejo entre as mais antenadas.

O mar que banha Springs, o reduto artístico dos Hamptons – que inspiram o designer baiano Vitorino Campos para essa coleção – é retrato em listras e até mesmo em calça pescador.

Aqui o jeans pode ser o material principal de casacos longos e calça pantalona. Dentre os tecidos, o linho, o crepe e o tricot.

 

// À LA GARÇONNE
A À La Garçonne desenhada por Alexandre Herchcovitch abriu o segundo dia de desfiles da com jaquetas de inspiração militar e temas/padrões pintados como se fossem estampas. São as melhores peças da marca desde a primeira coleção. Elas são tanto de couro como de sarja.

Também na onda do “see now, buy now”, as peças do desfile estavam disponíveis no mesmo dia, no e-commerce da etiqueta.

O militarismo também foi combinado com saias e bermudas com florais vintage, tudo meio transgênero, como pede o humor da moda e o tema da temporada.
As peças esportivas que foram apresentadas são, na verdade, uma coleção-cápsula que À La Garçonne assina com a Hering. Bermudas, moletons, vestidos e camisetas inspiradas no motocross e militarismo são a maior referência da parceria.

 

// REINALDO LORENÇO
Vestidos e saias assimétricas imperam na nova coleção de Reinaldo Lourenço, assim como a aposta na tendência da calça curta.

O estilista repete a mescla de plissados e tiras e pontua com saias e vestidos esvoaçantes. Saias mais longas apresentam fendas desejo, assim como mangas bufantes e babados românticos em cores “mais sérias” como preto e vermelho.

 

// PATRÍCIA VIERA
O preciosismo de Patrícia Viera veio em um trabalho lindíssimo de patchwork moderno sobre tela de tule. O couro é recortado e combinado com metais e metalizados. Tudo faz parte de uma releitura das pinturas da tribo Rapa Nui que fica em ilha de Páscoa, inspiração para este desfile.

Vestidos rodados têm fendas generosas e as jaquetas perfecto, modelagem atual para serem combinadas com peças mais clássicas. Cadê conta bancária para tanta preciosidade?

 

// LAB
A Laboratório Fantasma, ou LAB — como é chamada pelos criadores da marca, o rapper Emicida e o irmão Evandro Fióti –, estreou sob a batuta criativa de João Pimenta e vontade street wear que do improvável encontro da África com a Ásia.

A marca já começa fabricando peças com modelagem que vai até o 5G. Bia Gremion, de 19 anos, que desfilou, veste manequim 60. A cantora Ellen Oléria, ex-The Voice, e o modelo GG Akeen Kimbo completaram o time de modelos mais diverso que a já viu.

Comente!